ARTIGOS

Capa

Uma manobra no medo e na timidez
 
A estudante Ariadne de Souza Silveira (15) ficou conhecida como Turquinha por causa da altura, mas quando ela está numa pista de skate, torna-se gigante. “Ganhei esse apelido por brincadeira. Tinha o Turco, a Turca e o Turquinho, mas não havia uma Turquinha. Quando cheguei na pista, por ser baixinha, me chamaram assim. E pegou”, comenta. A adolescente tem muitos sonhos. E os maiores deles estão relacionados ao esporte. “Quero, através do skate, viajar pelo mundo, conhecer lugares, fazer amizades, me profissionalizar e, de alguma maneira, retribuir a todos que fizeram parte da minha evolução”, afirma. Ciente de que ainda tem muito caminho pela frente, ela mostra que é muito grata pelo apoio que recebe dos familiares, amigos e outros esportistas.
 
Aluna do primeiro ano do ensino médio da Escola Municipal Santa Rita de Cássia, na Cohab A, Turquinha encontra na família e nos colegas os maiores incentivadores de sua carreira no esporte. Os pais, o autônomo Cristian Elias Savela Silveira (42) e a industriária Joselene de Souza Silveira (41), e os irmãos mais velhos, Nairícia (22) e Ícaro (18), acompanham de perto a trajetória da skatista, que embarcou em junho para a Europa, onde participará de eventos até a primeira quinzena deste mês. Foi a irmã, inclusive, que a presenteou com o primeiro skate, em 2014. Ariadne recorda que ao passar por uma pista, os olhos sempre se fixavam nas manobras. “O esporte é muito radical e requer concentração e coragem. Isso era o que mais me chamava à atenção”, comenta. Na época, o pai e a mãe estavam um pouco receosos quanto a decisão da garota de andar de skate, mas logo perceberam que ela realmente amava o esporte e, mais, tinha talento. “Não tínhamos como dizer ‘não’ para a nossa caçula. Nos rendemos”, afirma Cristian.
 
No mês passado, após um campeonato em Passo Fundo, onde foi campeã, Turquinha viajou para participar do Skate World Cup Green Anger, em Graz, na Áustria; do Mystic Sk8 Cup (Praga) e do Grand Prix Beroun, ambos na República Tcheca. Além da experiência, ela aponta que as competições lhe proporcionam o privilégio de conhecer belos lugares. A jovem já esteve em várias cidades gaúchas e outros estados, em virtude dos campeonatos de skate. O local que mais gostou de conhecer foi o Rio de Janeiro. Lá, além de ver lindíssimas paisagens, concorreu na primeira etapa do Mundial, tendo conquistado a 13ª colocação no Oi Stu Open 2017. Também em solo carioca, a skatista vivenciou um dos momentos mais marcantes de sua trajetória esportiva: quebrou o shape (prancha) em uma manobra. “Esse era um sonho. Fiquei feliz!”, frisa. Outras importantes premiações ocorreram no ano passado, quando a estudante foi campeã da Liga Gaúcha de Street Skate e do Brasileiro, na categoria Feminino 2.
 
Coragem para encarar desafios
 
Quem já pôde conferir a habilidade de Turquinha nas pistas, se surpreende ao saber que, no início, ela tinha receio em participar de eventos. “Eu sempre quis competir, mas tinha muita vergonha. Até que um dia, decidi encarar meu medo e participar de um campeonato, sendo a única menina”, salienta. Apreensão superada, a adolescente intensificou a preparação para os torneios, com treinamentos diários. Nem mesmo nos dias de chuva, ela deixa de praticar o esporte. Cristian construiu obstáculos na área da residência para que a filha possa treinar. Ela também utiliza a estrutura do Skate Park João Mask, no bairro Bonsucesso, e pistas cobertas, situadas na região.
 
Exemplo para outros jovens
 
Dos primeiros treinos com o skate, ao lado do amigo Felipe Michael, até agora, Turquinha aprendeu bastante. E o crescimento não é notável apenas na pista. O pai relata que a experiência tem trazido maturidade para a estudante. Ariadne compreende, por exemplo, que através da trajetória esportiva, pode se tornar uma referência para outros jovens. Este é, aliás, um de seus objetivos. “Tenho essa vontade de dar bons exemplos”, diz. Ela também tem suas referências nesse quesito. Entre os skatistas que mais admira estão Leticia Bufoni, Pâmela Rosa, Mariah Duran, Luan de Oliveira e Nyjah Huston.
 
Longe das pistas
 
Quando não está treinando, Ariadne gosta de aproveitar o tempo com as amigas, sair para passear, se reunir para assistir a algum filme. Adora ação e suspense e acompanhar algumas séries. Na escola, as disciplinas com as quais mais se identifica são Literatura, Português e Educação Física. A estudante ainda não decidiu se após o ensino médio irá conciliar o esporte com estudos em outra área.
 

comentários (0) faça seu comentário

- nenhum comentário foi encontrado para esta notícia.